A desigualdade nos níveis de paz em âmbito mundial aumentou no ano passado à medida que nos países menos pacíficos a espiral de violência se intensificou

LONDRES, 8 de junho de 2016 /PRNewswire/ — A décima edição do Global Peace Index, publicada hoje, destaca uma crescente e marcada desigualdade nos níveis mundiais de paz à medida que a distância entre os países mais e menos pacíficos continua aumentando. O relatório, produzido pelo think-tank internacional  Institute for Economics and Peace, revela que, apesar de 81 países terem apresentado avanços, a deterioração em outros 79 países suplantou esses ganhos, o que significa que a paz diminuiu mais rapidamente do que no ano anterior. Apesar disso, alguns dos países mais pacíficos registram agora os mais altos níveis de paz da sua história. 

A pontuação para a região do Oriente Médio e Norte da África (MENA), considerada a região menos pacífica do mundo no relatório do ano passado, caiu ainda mais com a intensificação dos conflitos regionais, o que diminuiu o nível de paz em âmbito mundial. A atual concentração de violência e de conflitos na MENA é tão intensa que, considerada separadamente, a média dos níveis de paz no resto do mundo aumentou. Três das cinco maiores quedas no nível da paz ocorreram na região que inclui o Iêmen, a Líbia e Bahrein. 

Steve Killelea, fundador e presidente executivo do IEP comentou: “À medida que os conflitos internos na MENA se tornam mais acirrados, partes interessadas externas estão cada vez se envolvendo mais, e a possibilidade de uma guerra indireta ou ‘guerra por procuração’ entre estados nacionais está aumentando. Isso já ficou evidente na Síria, com o conflito entre o regime de Assad e os vários intervenientes não estatais (non-state actors) e que se estende agora para países como o Iêmen. Existe um conflito por procuração mais amplo entre a Arábia Saudita e o Irã, e mais recentemente tanto os EUA quanto a Rússia aumentaram seu nível de envolvimento.”  

A deterioração da paz em âmbito mundial em 2015 foi resultado do aumento do terrorismo e de níveis mais altos de instabilidade política. A maioria das atividades terroristas está altamente concentrada em cinco países: Síria, Iraque, Nigéria, Afeganistão e Paquistão. Porém, seu alcance está se expandindo, e apenas 23% dos países no Índice não tiveram nenhum episódio de terrorismo. A Europa, que foi mais uma vez considerada a região mais pacífica do mundo, teve sua pontuação média reduzida no relatório deste ano após os episódios de terrorismo que ocorreram em Paris e em Bruxelas. As mortes causadas pelo terrorismo na Europa mais do que duplicaram nos últimos cinco anos. 

O número de refugiados e pessoas desalojadas aumentou dramaticamente nos últimos dez anos e representa aproximadamente 60 milhões de pessoas entre 2007 e 2016, quase 1% da população mundial. Existem agora nove países em que mais de 10% da população sofre algum tipo de desalojamento; 20% da população da Somália e Sudão do Sul, respectivamente, e mais de 60% da população da Síria.

O impacto econômico global da violência apresentou queda de 2% em comparação com o relatório do ano passado, mas em 2015 o total foi a espantosa cifra de $ 13,6 trilhões, o equivalente a 11 vezes o valor do investimento direto estrangeiro global. Isso representa 13,3% do PIB global ou $ 1.876 por pessoa. Nos últimos dez anos, o impacto econômico da violência foi de $ 137 trilhões, superior ao PIB global em 2015.

Steve Killelea comentou: “A crescente internacionalização dos conflitos internos coincidiu com o aumento recorde do financiamento para a promoção da paz da ONU em 2016: foi o maior indicador de melhoria no relatório deste ano, com mais forças de paz sendo enviadas e mais países em dia com suas contribuições para a manutenção da paz para a ONU. Porém, o gasto para a promoção e a manutenção da paz continua desproporcionalmente baixo em comparação com o impacto econômico da violência, representando apenas 2% das perdas globais decorrentes de conflitos armados.

“Abordar a disparidade global na paz e obter uma redução total de 10% no impacto econômico da violência traria um dividendo para a paz de $ 1,36 trilhão. Isso seria aproximadamente o equivalente às exportações de alimentos em todo o mundo.” 

O relatório também fornece uma auditoria dos dados disponíveis para avaliar a Meta 16 das Metas de Desenvolvimento Sustentável – o reconhecimento formal dos estados-membros da ONU da importância da paz para a promoção do desenvolvimento mundial. O relatório afirma que, apesar de haver alguns dados que permitem acompanhar o progresso e, assim, manter os estados-membros responsáveis por cumprir suas metas, será necessário haver um investimento significativo para avaliar as metas.   

O relatório termina com novas pesquisas sobre resiliência e o que o IEP identifica como a “Paz Positiva”; as atitudes, instituições e estruturas que sustentam a paz. O relatório considera que, durante a última década, o número de vidas perdidas em desastres naturais foi treze vezes maior em países com baixo índice de Paz Positiva do que nos países em que esse índice é alto.

RANKING POR REGIÃO + DESTAQUES 

A Europa foi mais uma vez classificada como a região mais pacífica do mundo. A maior melhoria desde o ano passado ocorreu na América Central e no Caribe, sendo que a América do Sul também apresentou avanços nos seus níveis de paz. A MENA registrou a maior queda, seguida da África subsaariana, Europa, e região Ásia-Pacífico, respectivamente. 

Para obter mais informações, acesse www.visionofhumanity.org.

NOTAS PARA OS EDITORES
O relatório, o vídeo e mapas interativos do GPI podem ser acessados em: www.visionofhumanity.org 
Twitter: https://twitter.com/GlobPeaceIndex (#GPI2016)
Facebook:  www.facebook.com/globalpeaceindex

Sobre o Global Peace Index (GPI)

Essa é a décima edição do relatório do GPI: principal medida de avaliação do nível de paz mundial produzido pelo Institute for Economics and Peace (IEP). O relatório avalia os conflitos constantes, nacionais e internacionais, a segurança e proteção na sociedade, e o nível de militarização em 163 países e territórios utilizando 23 indicadores. O relatório que marca os dez anos da entidade apresenta a análise mais abrangente até a data sobre as tendências em paz e violência na última década. A edição de 2016 expandiu seu alcance e inclui a Palestina pela primeira vez. 

Sobre o Institute for Economics and Peace

O IEP é um think-tank independente e internacional que se dedica a mudar a visão do mundo sobre a paz para algo positivo, que pode ser alcançado, e uma medida tangível de progresso e do bem-estar da humanidade. 

 

 

FONTE Institute for Economics and Peace

SOURCE Institute for Economics and Peace

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *